Sobre Nós

Somos especializados no turismo experiencial de luxo e em itinerários personalizados em Portugal.

Somos uma D.M.C. (Destination Management Company), um operador turístico focado na cultura, tradição, história e paisagem de Portugal.
Construímos viagens e experiências inovadoras sobre todo o nosso património cultural e natural a partir dos aspectos únicos e de excelência da identidade portuguesa. 
Adoramos partilhar com os viajantes que nos visitam as pessoas extraordinárias que conhecemos e os lugares exclusivos e menos conhecidos de Portugal.
Cada programa é feito à medida do viajante, o que significa que cada viagem é para nós única e todos os detalhes são trabalhados para que possa ver, sentir, saborear e conhecer mais profundamente as várias regiões do país e os diversos temas da cultura e da identidade portuguesa.
As Viagens, Experiências e Eventos que criamos distinguem-se pela originalidade, autenticidade e profissionalismo e foram cuidadosamente desenhados para se tornarem momentos inesquecíveis!

Maria José Pinto

É licenciada em História da Arte pela Universidade Nova e tem um mestrado em Gestão Cultural pelo ISCTE de Lisboa. 
A arte, a literatura de viagens e a cultura portuguesa são algumas das suas paixões.
Como viajante, sempre valorizou um turismo mais personalizado e de proximidade ao espírito do lugar. A ideia do projecto Portuguese Ways resulta desta experiência e da vontade de dar a conhecer um outro olhar sobre o seu país, a sua história e a sua cultura.
 

Pedro Quaresma

Trabalha nas Portuguese Ways desde 2011, ano em que nos tornámos membros da Pure Life Experiences. A Viagem Genealógica foi a sua primeira contribuição para a afirmação da empresa no mercado internacional, sendo desde então o responsável pelas relações com os nossos parceiros espalhados pelo globo. O seu objectivo principal é proporcionar aos nossos parceiros e clientes um conhecimento genuíno de Portugal através da história, da cultura, das tradições mas, sobretudo, através do contacto entre o viajante e as pessoas que fazem deste país um destino tão especial.  Entre as suas paixões, destaca-se a gastronomia e os vinhos, pelo que não se poupa a esforços e distâncias para descobrir e partilhar o que de novo e melhor acontece em Portugal.

Ana Barqueiro

Estudou comunicação social mas desde sempre preferiu os bastidores. A aventura do "fazer acontecer", por oposição aos holofotes. Passou pela rádio, pela televisão, pelo mundo digital mas alguma coisa estava em falta. Durante anos foi alimentando essa insatisfação planeando viagens para assim conhecer culturas, história e estórias. Agora olha para trás e percebe que a vontade de trabalhar destinos era antiga. Reflectida na vontade escondida de ser repórter de viagens ou na forma como desenhava ao detalhe cada saída que envolvesse uma pequena mochila ou uma mala maior do que ela. Até que a máxima do "faz o que gostas e não terás de trabalhar um único dia na tua vida" surgiu de rompante e o seu sonho concretiza-se a cada sonho que faz acontecer para outros.

Ana Leal

A vida é uma grande viagem durante a qual vamos traçando metas e construindo sonhos, através das escolhas que fazemos e dos caminhos que optamos seguir! - É esta a crença de Ana Leal. Ao longo dos seus quarenta e cinco anos de “estrada”, fez um percurso de intensas vivências e de inúmeras decisões, enriquecendo espiritual e profissionalmente, em áreas tão diversas como o Teatro, o Direito, a Contabilidade e a Música.
Durante esta caminhada teve a possibilidade de participar em algo que a faz feliz, algo que não sente como trabalho mas como família: fazer parte da equipa da Portuguese Ways, colaborando na realização de SONHOS!

Vânia Jesus

É licenciada em Comunicação Social e Cultural pela Universidade​ Católica Portuguesa e trabalhou em áreas tão distintas como o Marketing e a Banca.
A sua primeira viagem foi com 18 dias, numa alcofa a caminho do Algarve com os seus pais. Foi também com eles que conheceu Portugal de norte a sul até ter idade para o explorar por sua conta de mochila às costas. Esse gosto fez com que tenha inicialmente começado a estudar hotelaria e turismo mas a vida trocou lhe os caminhos e as intenções. Talvez seja por isso que sente a sua chegada às Portuguese Ways como um regresso às origens e o realizar de um sonho. Finalmente tudo se encaixa.

Laura Moura

Faz parte da equipa da Portuguese Ways desde 2017. Vem de um percurso ligado à Intervenção Social e Comunitária, onde as pessoas ocupavam o lugar central, e a importância de adequar a intervenção à singularidade de cada um representava a sua maior motivação.
Em paralelo, aprendeu desde pequena a valorizar as tradições e o património humano e cultural português. O que foi facilitado pelas longas estadias com a família em Trás-os-Montes, hoje é um foco profissional. Reconhece um interesse cada vez mais profundo em descobrir as histórias associadas às tradições pela voz das pessoas que as praticam – a História de Vida e a Fotografia são duas das suas áreas de interesse que a acompanham no conhecimento desse Património.
A Portuguese Ways reúne, para si, o melhor de dois mundos: um trabalho de construção e criação personalizado que atua na valorização cultural e humana do seu país.

Paulo Paris

De regresso a Portugal após uma ausência de 16 anos, Paulo traz com ele uma vontade enorme de mostrar ao mundo as razões que o levaram a voltar.
Em Inglaterra, pais onde viveu antes de regressar a casa, trabalhou em diversas áreas, mas sempre lidando diretamente com pessoas. Assim, descobriu que a sua verdadeira vocação é comunicar e ajudar os outros. Nos últimos cinco anos recebeu viajantes de todo o mundo no Reino Unido providenciando sempre como alojamento nada mais nada menos do que um Castelo Histórico. Agora, em Portugal, espera poder fazer o mesmo, mas desta feita dando a conhecer toda a riqueza que o país onde nasceu tem para oferecer.

Portugal

Portugal, um dos países mais antigos do velho continente, é a porta de entrada da Europa de quem vem de ocidente.

Esta localização de cruzamento entre a Costa Leste do continente americano, a Europa e a África, bem como a riqueza da sua diversidade cultural e ambiental fazem deste país “à beira-mar” um destino excepcional. O território português inclui ainda os arquipélagos da Madeira e dos Açores em pleno Oceano Atlântico.
Um território onde é possível observar mais de 20.000 anos de história, desde as gravuras rupestres do vale do Côa às contemporâneas obras de arquitectura das suas cidades, Portugal possui um extenso e diversificado Património, do qual uma parte significativa foi já objecto de classificação pela UNESCO.
 

PORTUGAL. Uma Identidade
O longo período de permanência árabe na Península Ibérica primeiro, e os Descobrimentos portugueses do século XV e XVI depois, inscreveram um cariz multicultural à identidade portuguesa que se mantém até hoje. 
Famoso pelos seus muitos dias de sol ao longo do ano, Portugal acolhe os seus visitantes de forma calorosa e amigável apresentando uma variedade de aromas e paladares na sua gastronomia e na produção vinícola.
A literatura, a música e os costumes tradicionais são ainda características únicas da autenticidade de um território, geograficamente reduzido, que proporciona uma experiência rica e diversificada até em poucos dias de viagem.
HISTÓRIA. Os Descobrimentos
As viagens marítimas realizadas pelos portugueses nos séculos XV e XVI colocaram este pequeno país europeu no centro do mundo e das principais trocas comerciais e culturais. Desde a primeira viagem em 1415 até ao final do século XVI, Portugal foi pioneiro nos avanços tecnológicos da ciência náutica, da cartografia e da astronomia, construindo os primeiros navios capazes de navegar em segurança em mar aberto.
Com as suas viagens os portugueses colocaram os vários pontos do mundo em contacto. A língua portuguesa ainda hoje é falada por milhões de pessoas em todo o mundo e a arquitectura portuguesa pode ser encontrada em cantos tão distantes como o Brasil, a África, a Índia ou Macau.
ARTE. O Azulejo e a filigrana
O Azulejo é uma das expressões mais fortes da cultura portuguesa e uma das contribuições mais originais do génio luso para a cultura universal.
Azulejo é a palavra portuguesa que designa uma placa cerâmica quadrada com uma das faces decoradas e vidradas. A sua utilização em Portugal assume uma especial importância pela longevidade do seu uso, sem interrupção durante cinco séculos, pela sua aplicação como elemento que estrutura a arquitectura, através de grandes revestimentos no interior dos edifícios e em fachadas exteriores e pelo modo como foi entendido ao longo dos tempos, não só como arte decorativa, mas como suporte de renovação do gosto e de registo de imaginário.
A Filigrana é uma arte muito própria da joalharia portuguesa. A palavra deriva do termo latim filum que designa fio e granum que significa grão.
Usada em vários locais do mundo, foi nos países do mediterrâneo que esta arte manual de trabalhar metais teve um crescimento considerável.
Em Portugal, foram descobertas peças de filigrana que remontam a 2500 a.C.
Verdadeiras obras de paciência e imaginação representam temas variados da história, cultura e tradição portuguesa. É no Norte do país que se encontram os principais polos de fabrico da filigrana portuguesa.
Em Portugal, com o fim da ditadura no final do século XX, as artes tornaram-se um veículo de crítica e de construção da vida em democracia. Foi assim, desde as artes plásticas ao cinema, à literatura, à dança, à música, permanecendo até aos dias de hoje. A juntar às preciosas coleções dos Museus, novas galerias e projetos artísticos surgem nas principais cidades do país que proporcionam a descoberta da arte contemporânea portuguesa com a sua individualidade, universalismo, entusiasmo e paixão.
LITERATURA. Fernando Pessoa e José Saramago
A literatura portuguesa forma-se com base num espaço geográfico, o do território português, mas com os Descobrimentos Portugueses dos séculos XV e XVI alargou-se a várias partes do mundo. Através desta aventura marítima concretizou simultaneamente uma riquíssima literatura de viagens e contribuiu para a expansão da língua portuguesa.
Luis de Camões (séc. XVI), Fernando Pessoa (séc. XX) e José Saramago (séc. XX/XXI) são considerados alguns dos maiores poetas e escritores portugueses.
A obra poética de Fernando Pessoa foi já considerada como o "legado da língua portuguesa ao mundo". Complexa e personalizada nas diferentes vozes poéticas dos seus heterónimos, ela é um fenómeno marcante da composição literária e seguramente uma obra universal.
José Saramago recebeu o prémio nobel da literatura em 1998, sendo segundo a academia sueca aquele “que, com parábolas portadoras de imaginação, compaixão e ironia torna constantemente compreensível uma realidade fugidia”.
MÚSICA. Fado e Cante Alentejano
O Fado é um estilo musical português. É uma forma portuguesa de expressar sentimentos como amor e saudade. A palavra Fado tem origem no termo Latim fatum - o Destino. Essa força invisível que comanda a vida é cantada pela alma lusa através do Fado. A UNESCO classificou-o como Património Imaterial da Humanidade. O fado nasceu nos bairros de Lisboa no século XIX, mas bastaram 100 anos até conquistar fama no mundo, através da voz da fadista Amália Rodrigues. Contudo, apesar da fama mundial, o fado mantém viva a sua raiz popular pois é nos bairros mais modestos da capital portuguesa que se encontram os fadistas amadores. Alfama ou o Bairro Alto são alguns locais onde, ainda hoje, se podem encontrar os mais autênticos intérpretes. 
Também classificado como Património Imaterial da Humanidade, o Cante Alentejano é único e confunde-se com a história e a alma do Alentejo, essa região portuguesa de planícies a perder de vista. Não é certa a sua origem: canto gregoriano ou canto árabe. Mas é da ligação do trabalhador com a terra que surge este canto coletivo, associado geograficamente ao Baixo Alentejo.
Sem recurso a instrumentos musicais, grupos de homens ou mulheres cantam o que lhes vai na alma, o amor, os desejos e as recordações da terra onde se nasceu. 
Nos campos do Alentejo a tradição foi passando de geração em geração. Mas também quando os homens se reuniam para descontrair ou se juntavam para cantar em público nas arruadas. Ouvidas ao longo de séculos, as vozes vibrantes do cante alentejano continuam a encantar, refletindo a identidade e a história de uma comunidade e de uma região.
SABORES. Dieta Mediterrânica e Vinho do Porto
Tal como o Fado e o Cante Alentejano, também a Dieta Mediterrânica foi reconhecida pela UNESCO como Património Imaterial da Humanidade, mas neste caso, em resultado de uma candidatura transnacional. A Portugal aliaram-se Croácia, Chipre, Espanha, Marrocos, Itália e Grécia. E será fácil perceber porquê!
Em causa está uma dieta inspirada na ideia de alimentação saudável da região mediterrânea que inclui produtos como o azeite, os vegetais frescos, as castanhas e também o peixe.
Ao recuarmos no tempo ficamos a saber que, uma parte dos alimentos foi trazida dos países descobertos por portugueses e espanhóis, sobretudo na América do Sul.
A história também nos mostra que a dieta mediterrânica envolve um ritual de partilha, seja entre uma família, um grupo ou comunidade.
É, por isso, reveladora da cultura dos países da bacia do mediterrâneo, Portugal incluído.
Outro sabor bem português é o famoso vinho do Porto. No vale do Douro, cuja paisagem vinhateira foi considerada património mundial pela UNESCO, nasce o vinho do Porto. Este famoso vinho licoroso tem uma longa e riquíssima história e é produzido de forma peculiar na conjugação de factores naturais e humanos. O processo de fabrico, baseado na tradição, inclui a paragem da fermentação do mosto pela adição de aguardente vínica, a lotação de vinhos e o envelhecimento.